Disfunção Sexual Feminina

 

ritjens

 

Dra. Patrícia Rietjens – Rondonópolis, MT
Fisioterapeuta Pélvica
CREFITO-9 190.915-F

 

 

 

A sexualidade é capaz de influenciar a saúde física e mental e pode ser afetada por fatores orgânicos, emocionais e sociais. O transtorno de qualquer uma das fases da resposta sexual (desejo, excitação, orgasmo e resolução) pode acarretar o surgimento de disfunções sexuais. (FERREIRA, 2007)

São muitos os fatores que podem causar incômodos, dores, diminuição do desejo sexual e excitação, enfim, disfunções sexuais que impedem que a mulher tenha uma relação prazerosa e satisfatória.

As disfunções sexuais femininas podem ser apresentadas como vaginismo (contração involuntária da musculatura do assoalho pélvico que impede a penetração), dispareunia (dor durante a penetração), anorgasmia (não atingir o orgasmo), disfunção de desejo entre outros. A fisioterapia hoje atua como um dos tratamentos de primeira escolha para essas disfunções, principalmente nas causas musculares (vaginismo e dispaurenia), que precisam de relaxamento e alívio da dor.

A fisioterapia utiliza de recursos manuais, eletroterapia, biofeedback, dilatadores vaginais e treinamento muscular do assoalho pélvico, que têm como objetivo aliviar as dores sexuais, promover relaxamento, melhorar a vascularização local (períneo), melhorar a percepção e o controle dessa musculatura pélvica. O trabalho de fortalecimento e conscientização da musculatura perineal também é de fundamental importância durante o tratamento, o que promove um aumento do desejo sexual e consequentemente melhora da excitação e prazer. (MENDONÇA, 2010) (ETIENNE, 2006).

Em um estudo realizado por Piassarolli et al.(2010), foram avaliadas 26 mulheres que apresentavam alguma disfunção sexual. Todas foram tratadas com treinamento muscular do assoalho pélvico (TNMP) e 69% receberam alta do Ambulatório de Sexologia por melhorarem as queixas sexuais.

Ainda se faz necessário a realização de mais estudos que comprovem a eficácia da fisioterapia no tratamento das disfunções sexuais, visto que é uma área nova de atuação do profissional fisioterapeuta e que já é considero um tratamento muito eficaz baseado em alguns estudos. O papel do fisioterapeuta se faz muito importante junto á equipe multidisciplinar no tratamento da saúde sexual das mulheres. A divulgação do trabalho do fisioterapeuta precisa ser maior, até mesmo para as pacientes saberem que existe tratamento para essas disfunções e procurar ajuda dos profissionais.

 

Referências Bibliográficas

ETIENNE, M.A; WAITMAN, M.C. Disfunções sexuais femininas: a fisioterapia como recurso terapêutico. São Paulo: LPM;2006.

FERREIRA, A.L.C.G. et al. Prevalência das disfunções sexuais femininas em clínica de planejamento familiar de um hospital escola no Recife, Pernambuco.  Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 7 (2): 143-150, abr. / jun., 2007

MENDONÇA, C.R.; AMARAL, W. N. Tratamento fisioterapêutico das disfunções sexuais femininas – Revisão de Literatura.  FEMINA | Março 2011 | vol 39 | nº 3

PIASSAROLLI, V. P. et al. Treinamento dos músculos do assoalho pélvico nas disfunções sexuais femininas. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2010; 32(5):234-40