Disfunções Pélvicas Infantis

 

1bianca

 

 

Dra. Bianca Fernandes Herbe – Feira de Santana, BA
Fisioterapeuta Pélvica
CREFITO-7 190.813-F

 

As principais disfunções pélvicas que acometem as crianças são: enurese noturna, o famoso “xixi na cama”; retenção urinária, que causa infecções urinárias de repetição; constipação intestinal. Quantos pais já não brigaram por a criança ter feito xixi na cama ou na roupa ou colocaram a criança sentada no vaso sanitário durante muito tempo esperando ela evacuar?

O que poucas pessoas sabem é que a fisioterapia pélvica pode atuar nestas questões, apresentando ótimos resultados. O tratamento fisioterapêutico pode ser realizado sozinho ou aliado a um tratamento clínico (médico), psicoterapêutico (psicólogos) e até mesmo nutricional (principalmente nos casos de constipação).

A fisioterapia irá trabalhar os músculos do assoalho pélvico da criança, de acordo com a avaliação fisioterapêutica. Por exemplo: se for verificado um déficit no relaxamento muscular – o que causa a constipação intestinal e a retenção urinária – é trabalhado esta condição. Já se for verificado fraqueza muscular, é realizado então o fortalecimento da musculatura.

Para trabalhar a condição muscular são realizados exercícios para o assoalho pélvico que constam basicamente de contrações e relaxamento deste grupo muscular. Os exercícios podem ou não estar associado ao biofeedback eletromiografico, que é um aparelho que capta os estímulos elétricos dos músculos e forma curvas na tela de um computador.  Para crianças estas curvas podem vir em forma de desenhos como aviõezinhos, carrinhos etc, e a criança realiza o exercício como se estivesse jogando videogame, tornando o tratamento divertido e interessante à criança.

Os casos de enurese noturna (xixi na cama) e incontinência urinária (perda de urina durante o dia) tem uma boa resposta com o uso da eletroterapia, consistindo de pequenos impulsos elétricos (pequenos choques) através de eletrodos colocados na superfície da pele. A criança sente apenas um formigamento, e muitas vezes dorme durante a sessão! O local escolhido para colocar os eletrodos é geralmente a região parassacral, na coluna lombar. Pode-se também colocar os eletrodos na perna da criança (neste caso, chamamos de estimulação do nervo tibial posterior). Essa estimulação tem bons resultados porque o impulso elétrico percorre os nervos da bexiga urinária, chegam ao cérebro e reorganizam as áreas da micção, normalizando os estímulos na bexiga, fazendo-a com que não tenha hiperatividade.

Há ainda a terapia comportamental, que são orientações que passamos à criança e aos pais para evitar as condições que pioram o quadro clínico (enurese noturna, constipação, retenção urinária).

São ainda utilizados outros recursos, com bola suíça (bola de pilates), exercícios de respiração, uso de faixas elásticas coloridas, etc. As sessões são realizadas de forma lúdica e são adaptadas para cada caso específico, pois nenhuma criança é igual.  Geralmente são necessárias de 10 a 20 sessões, porem, como foi dito, casa caso é diferente um do outro.

 

REFERENCIAS

PALMA, Paulo. Urofisioterapia. Campinas, SP, 2009 Pag. 449 – 458. Capítulo: Disfunções miccionais na infância.

LORDÊLO, P.; BENEVIDES, I.; KERNER, E.G.; TELES, A.; LORDÊLO, M.; BARROSO JR, U.; Treatment of non-monosymptomatic nocturnal enuresis by transcutaneous parasacral electrical nerve stimulation. Journal of Pediatric Urology, 2010, 6: 486-489

VEIGA, M.L.; LORDÊLO, P.; FARIAS, T.; BARROSO JR, U. Evaluation of constipation after parasacral transcutaneous electrical nerve stimulation in children with lower urinary tract dysfunction – A pilot study Journal of Pediatric Urology, 2012, 9: 622-626

CAMPOS, R.M.; GUGLIOTTA, A.; IKARI, O.; PERISSINOTO, M.C.; LÚCIO, A.C.; MIYAOKA, R.; D’ANCONA. C.A.L. Estudo comparativo, prospectivo e randomizado entre uroterapia e tratamento farmacológico em crianças com incontinência urinária. Einstein, 2013, 11(2):203-8

ZIVROVICK, V,; LAZOVIC, M.; VLAJKVIC, M.; SLAVKOVIC, A.; DIMITRIJEVIC, L.; STANKOVIC, I.; NACIC, N. Diaphragmatic breathing exercises and pelvic floor retraining in children with dysfunctional voiding.  European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine, 2012, 48:413-21

FURTADO, P.S.; LORDÊLO, P.; MINAS, D.; MENEZES, J.; VEIGA, M.L.; BARROSO JR, U. The influence of positioning in urination: An electromyographic and uroflowmetric evaluation. Journal of Pediatric Urology. 2014

LORDÊLO, P.; TELES, A.; VEIGA, M.L.; CORREIA, L.C.; BARROSO JR., U. Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation in Children With Overactive Bladder: A Randomized Clinical Trial.  The Journal of Urology, 2010, 184: 683-689

AMARO, J.L. et al. Diretrizes de Disfunções Miccionais. Sociedade Brasileira de Urologia. Disponível em: http://sbues.org.br/diretrizes/disfuncoes_miccionais.pdf