Prostatectomia

 

1leila

 

Dra. Leila Roseana Zavarize – Porto Alegre, RS
Fisioterapeuta Pélvica
CREFITO-5 166.810-F

 

 

 

A próstata, uma glândula relativamente pequena que se localiza na base da bexiga e envolve o canal da uretra masculina, tem por função produzir parte do esperma. Por volta dos 40 anos de idade, em cerca de 90% dos homens adultos, ela inicia um crescimento benigno chamado hiperplasia, que gera transtornos ao urinar. Já a partir dos 50 anos, associado ou não à hiperplasia, existe a possibilidade do câncer de próstata, sendo este o tumor mais frequente no homem brasileiro.

Após uma cuidadosa avaliação médica, dependendo do tamanho da hiperplasia ou do estágio do tumor, se indicada, será realizada a cirurgia de retirada de parte ou de toda a próstata – a prostatectomia. Quanto mais cedo o problema for descoberto, menor os danos da cirurgia.

Os avanços obtidos com o aperfeiçoamento das técnicas cirúrgicas tem proporcionado uma redução das complicações relacionadas ao procedimento, podendo ser realizado com cirurgias minimamente invasivas, as quais favorecem uma recuperação mais rápida, com menor desconforto pós-operatório.

A Incontinência Urinária (IU) tem sido uma das queixas mais frequentes por pacientes prostatectomizados, acompanhada da Disfunção Erétil (DE). Estes transtornos geram grande impacto na qualidade de vida podendo ser temporários ou persistentes, necessitando de tratamento, o qual será farmacológico, cirúrgico ou Fisioterapêutico.

Apesar de encontrarmos poucos artigos publicados, a Fisioterapia Pélvica tem obtido bons resultados, tanto na IU quanto na DE, resgatando a funcionalidade do assoalho pélvico através da cinesioterapia e da eletroterapia que melhoram o mecanismo esfincteriano através do fortalecimento obtido pelo recrutamento das fibras musculares.

 

Referências Bibliográficas

BARACHO, E. Fisioterapia Aplicada à Obstetrícia, Uroginecologia e Aspectos de Mastologia. 4 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2007.

KUBAGAWA, L.M. et al. A eficácia do tratamento fisioterapêutico da incontinência urinária masculina após prostatectomia. Rev.Bras.de Canc. 2006; 52(2): 179-183

KAKIHARA, C.T. et al.  Efeito do treinamento funcional do assoalho pélvico associado ou não à eletroestimulação na incontinência urinária após prostatectomia radical. Rev. Bras.de Fisioter., São Carlos, v. 11, n 6, p. 481-486, Nov/dez 2007.

PRABHU,V. et al. Radical prostatectomy improves and prevents age dependent progression of lower urinary tract symptoms. J Urol; 191(2): 412-7, 2014 Feb.

LIMA, F.K.G. et al. Abordagem fisioterapêutica na incontinência urinária masculina pós-prostatectomia radical. Fisioterapia Brasil vol.15, n 2, março/abril 2014.